Diretor: Paulo Melo Quinta-feira
24 de Abril de 2014
Publicidade Inicial – Mercado das Ervas – header 2

Cientista português participa na descoberta de quatro novas espécies de baleias

Quatro novas espécies de baleias-de-bico foram descobertas nas profundezas do Oceano Atlântico, disse à Lusa um investigador português na área da paleontologia e membro da equipa científica internacional responsável pelos achados dos fósseis.

Texto: Lusa | Foto: Direitos Reservados / Açores 9 Foto: Direitos Reservados|Texto: NaoM
Texto: Lusa | Foto: Direitos Reservados / Açores 9
Visualizações 2906

“Estes novos achados destas espécies de baleias são um avanço para a ciência, porque ajudam a compreender melhor a evolução deste tipo de baleias, que existem atualmente, mas estas são espécies fósseis e, portanto, são antepassados das atuais”, explicou o cientista Octávio Mateus.

Segundo o professor de Paleontologia na Universidade Nova de Lisboa e investigador no Museu da Lourinhã, estas quatro descobertas “de uma só vez” vêm também mostrar “uma diversidade maior” do que aquela que conhecíamos até ao momento.

Estas novas espécies de baleias eram semelhantes a golfinhos, pertenciam a um grupo de baleias de pequeno porte (quatro a 13 metros), “muito raras”, “muito difíceis de localizar”, e animais que se alimentavam de lulas gigantes a dois e três mil metros de profundidade, descreveu Octávio Mateus.

Segundo o cientista, o facto de estas baleias terem de respirar à superfície, como todos os mamíferos, e depois mergulhar três mil metros para se alimentarem é “absolutamente impressionante”.

As descobertas destas quatro novas espécies de baleias de bico foram feitas a partir de uma série de fósseis recolhidos no fundo do oceano em diferentes locais da Galiza, Espanha e no norte e na costa oeste de Portugal.

A descoberta esteve a cargo de uma equipa científica internacional composta por cinco especialistas liderados por Ismael Miján, da Sociedade Galega de História Natural de Ferrol (Galiza/Espanha).

“Verificámos pela anatomia que as novas baleias não encaixavam em nada conhecido, e portanto viemos a verificar que são novas espécies, algo que não era de todo conhecido, aumentando a diversidade desta família de baleias para a costa ibérica”, acrescentou o investigador português.

Das quatro novas espécies, o cientista destacou a ‘Globicetus hiberus’, por ser uma baleia com uma estrutura óssea “muito estranha à frente no crânio”, que poderá estar relacionada com um comportamento de agressão entre machos para bater cabeça com cabeça, ou relacionado com a “ecolocalização que é algo que este tipo de baleias usa com frequência”.

Este projeto arrancou em 2006, altura em que um pescador de Cedeira (Corunha/Espanha) encontrou um estranho fóssil que lhe apareceu nas redes da sua embarcação, que se tratava afinal de um crânio de uma baleia por classificar e que teria entre 15 a 20 milhões de anos.

A equipa de cientistas contou ainda com o trabalho do italiano Giovanni Bianucci, da Universidade de Pisa, e do belga Olivier Lambert, do Museu Real de Ciências Naturais da Bélgica e do holandês Klaas Post, do Museu de História Natural de Roterdão.

Este achado científico já mereceu aplausos da comunidade paleontológica internacional.

Uma parte da coleção dos novos fósseis vão estar em exibição ao público no Museu da natureza de Ferrol, adiantou a agência de notícias Efe, mas Octávio Mateus adiantou que também no Museu da Lourinhã poderão vir a expor-se alguns fósseis descobertos.


Publicidade

Opinião


Meteorologia

Tempo Ponta Delgada